Papoilas Saltitantes
04
Jun

2015

Stress pós-traumático

Por Ricardo Rodrigues Rocha

E os Benfiquistas ainda estão a apanhar os destroços...

O trauma é grande, garantidamente, enorme, mesmo. Perder o Bicampeão, o treinador mais titulado da história, o inventor do rolo compressor, o recordista de golos, pontos, vitórias...o "mestre da tática", o “limpinho limpinho”...é mau, muito mau...perde-lo para o eterno rival é o pior pesadelo!

Nestas poucas horas depois do rebentamento da bomba, numa altura em que ainda se procuram sobreviventes e se contabilizam os estragos, os Benfiquistas reagem de formas diferentes ao trauma.

Há os "moderadamente satisfeitos" - aqueles que não podiam com JJ, que o achavam um bimbo, um egocêntrico vaidoso, os que ao longo dos últimos 6 anos defendiam que ele não tinha estofo para a Champions, que inventava e falhava nos jogos importantes, algumas vezes com estrondo, (lembrando constantemente as goleadas de Liverpool e do Dragão), os que se queixavam que JJ só sabia treinar equipas de milhões, os que lembravam os flops e teimosias (Roberto, por exemplo), os que não perdoaram o ajoelhar no Dragão, os conflitos com Tacuara, a bronca ao Sheu, o desprezar da formação, a dispensa das pérolas (Bernardo Silva, o Benfiquista), etc, etc.
Esses estão satisfeitos, mas moderadamente, porque lá no fundo têm um enorme "cagaço" de não terem razão…temem que JJ seja afinal tão bom como eles nunca acharam que fosse e temem ter que o assumir/descobrir no final da época enquanto vêm o TRI a esfumar-se nas nuvens.

Depois temos os românticos - aqueles para quem o futebol ainda se joga com amor à camisola, onde a honra e a gratidão ainda se sobrepõem ao profissionalismo, são os que se sentem atraiçoados por JJ, por este ter atravessado a 2ª circular..."até podia ir-se embora, mas para o Sporting NUNCA"

Temos ainda os revoltados - a maioria, arrisco. Encabeçada pelo "nosso" inenarrável Diretor de Comunicação do SLB (que já devia ter sido demitido à muitos anos) e que centraram a sua reacção no caracter de JJ! #judas foi o 2º hastag nos trends do twitter, em Portugal, na noite da bomba. São os que povoaram os fóruns benfiquistas com insultos a JJ, que o apelidam de "pesetero", que lhe desejam todo o mal possível...

Faltam ainda os desiludidos/descrentes - recebi 2 mensagens ontem à noite, poucas horas depois da bomba, uma dizia: "esquece o cativo"...só isto.
Outra dizia: "já enviei email para o Benfica a pedir para cancelar a minha inscrição de sócio, e reforçava "para o ano não quero saber de futebol"

Temos ainda os gratos - aqueles que mesmo no pico da emoção conseguem racionalizar e, apesar da tristeza, revolta, raiva, desilusão que possam sentir, ainda valorizam acima disso tudo a História... e o que deu JJ aos Benfiquistas.

Temos os iludidos - aqueles que despiram automaticamente a casaca e viraram o discurso, como quem carrega num botão. JJ deixou de ser o “melhor treinador do mundo” e "o Rui Vitória sempre foi o meu preferido", aqueles que vão sempre atrás da maré, aqueles para quem o Talisca no início da época era um génio que ia valer 50M€, no final da época era uma "merda" e agora será, certamente, "mais um flop que JJ impingiu ao Benfica para ganhar o dele em comissões” (notem que os iludidos se misturam e confundem facilmente com os “revoltados”, mas lá no fundo são bem diferentes...)

Depois temos os “escatológicos” - aqueles a quem importa, primeiro que tudo, apurar responsabilidades, sabem se foi Jesus que quis sair…e nesse caso será um traidor, ingrato e “pesetero” ou, se por outro lado, foi “empurrado” para fora do Benfica, como especula alguma imprensa…para esses importa saber a “verdade” antes de tomarem posição sobre o dito JJ.

Por fim, há os tristes (talvez o grupo em que melhor me incluo, embora tenha um bocadinho de todos os outros tipos, menos o primeiro – jamais ficaria satisfeito com a saída de JJ do SLB) - aqueles que ficaram sem reação, sem palavras, sem saber o que sentir, para além de uma profunda tristeza.

Não há Benfiquistas melhores nem piores, há Benfiquistas destroçados, divididos, inseguros, ansiosos, revoltados, todos eles desejosos, certamente, que chegue o novo herói e a nova época...no fundo, o normal processo de recuperação pós traumática tao comum em qualquer sobrevivente de uma catástrofe.

Como "apóstolo de JJ" que sempre me assumi, tenho a convicção que a perda de JJ  será um retrocesso no processo evolutivo da equipa e do "meu" Benfica, do Benfica que gosto, quero e desejo, o Benfica dominador, ofensivo, pressionante que caminhava (na minha opinião) para uma década de domínio doméstico...será o fim?! Claro que não...

O Benfica continua! Acima de tudo e de todos!

Força Benfica! Rumo ao 35 (venha ele quando vier!)