O Fantasista
12
Jun

2014

I'm hating it...

Por O Fantasista

 

O Fantasista está em Albufeira. Naturalmente com um escaldo daqueles. Basicamente, armado em Joey Barton. Ok, ainda me falta a parte do golfe logo pela manhã...

Quatro dias de puro alheio “internético” foram bruscamente interrompidos com uma visita ao Algarve Shopping. A típica visita à A Casa. 

Um mero acesso à rede e pronto, o Sr. McDonald já fez m****! Realmente as regras pareciam concebidas por um miúdo ainda elegível à digestão de um Happy Meal. Mas não se esperavam alterações a três dias do arranque do torneio. E ainda pior, alterações na véspera.

As principais são:

 - o plantel (afinal) tem um número de alocações fixo: 3 Goleiros, 7 na Zaga, 8 no Meio e 5 Centro-avantes.
 - a clean sheet do Goleiro é (afinal) igual à da Zaga: 4pt.
 - a Zaga necessita (afinal) de 2 balls recovered para pontuar 1pt, tal como os Médios e Centro-avantes.

 

Ora, e olhando já para a próxima tabela, podemos perceber que os valores da coluna mais à direita sofrem um corte para metade.

Estes são dados da época 2013/14 da UEFA Champions League, única competição que nos oferece a modalidade de balls recovered em ligas de fantasia. Só considerei jogadores que estarão presentes no Mundial, e este é o Top-6 da secção defensiva. Os números servem essencialmente como guideline para prever quem serão os potências líderes na recuperação de bola. 

Facilmente vislumbramos médias superiores em defesas centrais de equipas dominadoras na posse de bola, a dupla Pepe e Ramos com 8.14rb/90 e 7.64rb/90 respectivamente, e Boateng com 6.86rb/90. Mesmo sem ter acesso aos números médios de blocked shots (2pts), podemos e devemos aferir uma média de 6pts extra (4pts/8rb e 2pts/1bs) em cada jogo realizado por um Zagueiro de time grande! No caso específico do ganês da Alemanha, a sua possível passagem para defesa direito da seleção pode reduzir estas médias mas, ao mesmo tempo, aumentar a categoria das balls delivered into penalty área.

Este top também contempla dois laterais, Azpilicueta e Lahm, e um zagueiro, Mascherano, no entanto o Sr.McDonald e o tal puto do Happy Meal resolveram classificar os três como Médios! No caso do alemão e do argentino ainda se pode entender, mas a remodelação do espanhol leva-nos a pensar que provavelmente a FIFA contratou a cadeia de fast food errada.

 

Seguimos com a análise e centramos atenções nos médios:

Começo por dizer que talvez Lahm devesse estar colocado nesta tabela, no entanto a sua posição variou muito ao longo da competição (defesa direito, médio defensivo e interior direito). Na verdade estamos perante um defesa lateral direito/esquerdo, e com a abundancia existente no miolo alemão nem se percebe bem o porquê da sua transição posicional. Cenas do Pep.

Dos restantes, o líder Busquets faz parelha com Xabi Alonso no meio-campo espanhol e as tendências verificadas na UCL devem transitar para o WC2014. Também de Jong ocupa a mesma posição na selecção que no clube pelo que os seus números não se devem alterar significativamente. Quanto a Witsel e Modrić os seus papeis mudam drasticamente quando representam os seus países, um em posições mais recuadas (alternando o papel se joga Defour ou De Bruyne) outro com mais liberdades ofensivas, pelo que ambos têm virtudes a considerar no momento de escolher o plantel.

 

Fechamos com os homens da frente e com uma breve olhadela aos seus números:

Começando por aqueles cuja função se altera na transicão para o futebol de países, Neymar e Hulk devem ser os principais "prejudicados" pois não serão obrigados a uma disciplina defensiva semelhante à que têm nos clubes. Para Cavani e Müller pouco deve mudar mas Rooney, previsto para alinhar no meio-campo inglês, ora na faixa ora nas costas do centro-avante poderá ter aquele valor adicional que compense a imprevisibilidade produtiva dos ingleses.

Para o fim ficou Andre Ayew porque neste jogo conta como Médio. Os seus valores de RB/90 são os mais elevados desta tabela mas a sua mudança de posição não lhe é benéfica visto passar a ser considerado no meio dos trincos. Acho que este é o primeiro caso de um Forward que conta como Midfielder em que o jogador perde valor. Sai mais um Happy Meal para a mesa do canto...

 

Com tudo o que serviu de premissa ao lançamento deste campeonato da fast food, desde o atraso na divulgação das listas e preços de jogadores às constantes mudanças nas regras juntando ainda a falta de acesso a dados históricos das estatísticas a serem utilizadas no modelo de jogo, há muito pouco que se possa concluir deste novo modelo. Quer dizer, a não ser o facto da FIFA ter irritado o Fantasista. Isso já é um dado adquirido

Portanto, e sem qualquer tipo de bases científicas para o justificar, deixo-vos algumas dicas que instintivamente me parecem fazer sentido:

 - Só há duas formas de construir o plantel: 11 cabeçudos e preencher os restantes lugares com matrecos ou então uma equipa equilibrada, não só financeiramente como na distribuição por grupos, para jogarmos com a regra das substituições durante a jornada. Tudo o resto é um desperdício.

 - Os preços da secção defensiva estão muito inflacionados e acho que o ganho em pontos com as novas regras poderá não compensar em termos de valor gasto.

 - O preço reduzido dos centro-avantes (o mais caro custa 10) e o incremento dos pontos dos seus golos justifica uma frente de ataque heavy-loaded.

 - É obrigatório ter o Neymar.

 

Posto isto, basta escolher os jogadores com muita fé que as vossas capacidades predictivas sejam recompensadas pelo Sr. McDonald. Vamos ter, como habitualmente, uma liga do 11para11. Podem juntar-se através deste link, com a password 11para11, e tentarem bater o Fantasista.

 

Boa sorte a todos.