O Fantasista
17
Dez

2014

AVC vs Paternidade Pt. 3

Por O Fantasista

 

Dia 25 de Julho o Fantasista sofreu um acidente. Um AVC. Dia 29 de Julho o Fantasista foi Pai pela primeira vez. Um Guilherme.

Terminamos hoje. (Além das partes 1 e 2 deste Ensaio, podem também ouvir O Fantasista, convidado especial da Prova Oral na Antena 3, onde abordou esta temática.)

 

Dia 6 – 4ª Feira 30

    Sofia (enfermeira), Carolina I e Raquel (médica)

Acordo ao som do tom mandão da Sofia. Uma morena muito despachada com uma cicatriz marcante. Não se esconde e apresenta qualidade na componente inferior do manto branco. 

Carolina I, a minha fiel amiga de infancia, está, a partir de agora, encarregue de me restabelecer os níveis de cafeína no cérebro. Não vem só, traz uma acompanhante de relevo. A calça rosa-light da cunhada Raquel. É sempre bom acordar rodeado de elementos femininos. Os meus companheiros de camarata (e não só) decerto concordarão.

    João, Marina e Carolina (neurologistas)

Uma das fases mais interessantes do dia. Vê-los conferenciar, de cama em cama, posicionados à cabeceira das ditas. Debatem sobre as evoluções positivas e negativas, bem como sobre a prioridade relativa na execução de exames que contribuam para detectar a lesão e traçar a respectiva terapêutica.

    Rui (enfermeiro)

Irmão de uma colega de Secundário e amigo de umas colegas de turma (7º ao 11º). Rui, apelidado carinhosamente de Macaco, acompanha-me à casa de banho. Vou, finalmente, tentar evacuar. Existem métodos eficazes, diz ele. Quais? Um tal de clister ou uma poção mágica "caseira". O último plano sounds good, trata-se de? "Sou eu que preparo, mas não posso desvendar". Ah bom, manda lá vir isso então.

Passados 30 minutos toca o alarme. Lá vou eu, mas sai muito pouco... Estou desiludido.

    Carlos II (médico)

Amigo do meu Pai, famoso pediatra na região, já reformado, mas daqueles que ainda vai lá só “lavar os dentes”. Tem uma filha da minha idade, Teresa, talvez por isso se sinta mais identificado com a causa. Visita agradável, deu umas dicas, fez-me rir, e arrancou.

    Hugo e Frederico (amigos)

Irmãos e gémeos. Basta fazer marcha-atrás, sintonizar a 1ª parte desta crónica, ler duas vezes a secção “Frederico (amigo)”, e imaginá-los com a mesma roupa mas de cor diferente.

Após o almoço surge o verdadeiro alarme. É desta! Quase nem chego ao privé. Mão esquerda no toalheiro, direita no apoio do papel higiénico. Sinfonia do alivio. Parabéns Macaco!!!

    Susana 

Duche necessita-se. O primeiro fora da cama, mas ainda com auxilio. Grau de dificuldade máximo, soro no braço direito, e lavagem exclusiva com a esquerda. Uma aventura. O equilíbrio está longe de estar totalmente readquirido, muito menos sem pneus de chuva. A minha querida Susana lava as costas e abaixo do joelhos.

Lavadinho e pronto para mais uma cavalgada em direção à Maternidade. Susana conduz a cadeira (lentamente). Olhos abertos!

    Liliana, Guida e Susana

A mãe desperta, mas o filho está em sono profundo. A temperatura dificulta e desta vez nem 2 minutos aguento. As dores de cabeça são fulminantes. Voltar à cama é prioritário. Nem lhe toquei...

    Maria João (paciente – unidade 4)

Hemorragia no cerebelo, não lhe afectando a capacidade motora em nenhum dos membros. Sente muitas dores de cabeça e tem vómitos. Jovem de 23 anos, estuda Linguísticas, e futuramente anseia desenvolver a sua profissão no auxilio a autistas. Retenho uma frase sua em resposta a perguntas da Dra. Carolina: “vejo muitas cores quando falo com pessoas”.

    Pedro (voluntário)

Amigo e colega da minha Mãe. Aqui num papel bem diferente mas de grande valor, é voluntário no Hospital ajudando os mais necessitados nos horários da alimentação. Obrigado pelos textos. Força!

    Filipe, Marie e Miguel (amigos)

O amigo de infância. Aquele que conheço desde que me conheço. Parceiro em tudo até 1998 (nomeadamente no NHL '94 e Micro Machines). A diferença de 1 ano na fatídica decisão de maior pesar na mente da maioria da sociedade portuguesa (e açoriana) separou-nos por pouco tempo. Em 1999, já ambos em Lisboa, ambos no Técnico, a cumplicidade retorna. Apesar de ser Índio, o futebol une-nos. Um Margarido desde a sua fundação, só lhe faltou o ingresso nas competições universitárias com a camisola da AEIST.

A sua mulher acompanhou-o, como sempre. Relação consolidada. Hoje já posso aferir o seguinte: melhor não encontravas. Sim Marie, era para ti!

Por último o primo (Faria e) Maia! Amizade fresca mas em claro crescendo. Obrigado.

    João e Carolina

Após o jantar, os doutores autorizam/ordenam que comece a caminhar no corredor. Após 15 minutos a perna direita claudica. Travão de mão accionado. Estaciono no quarto ao lado, em amena cavaqueira com o antigo colega João (GNR). Nuno, em missão de salvamento, aparece com a boa da cadeira de rodas... Cama!

    Liliana

Visita completamente inesperada. A Mãe já anda na boa! Deixou o herdeiro nos braços da Avó e veio "checkar" o gajo do AVC. Amanhã já estarão em casa, eu só posso esperar a mesma fortuna.

    João, Francisco e Maria João

Ao som de Stereo Mc’s e ainda inebriado pela caminhada decido “desenhar” o interior, minimalista, da Medicina IV.

Já passa da meia-noite, mas ainda vamos a tempo do highlight do dia. O “longínquo metro e meio”, o tal que me separa do Sr. João das melâncias, desvanece por completo enquanto ouvimos "Connected":

João – Menino, desliga isso. (enquanto roda a cabeça para o seu lado esquerdo)
Eu – A luz ou a música?
João – O rádio!
Eu – Ok. Assim está melhor?
João – Tá bom... (e adormece, voltando a cara para a direita)

Foram necessárias 4 noites e muita música para existir “contacto”. Esta foi a sua última noite a meu lado, seria transferido no dia seguinte.

 

Dia 7 – 5ª Feira 31

    Mariana (enfermeira)

Nada como acordar as oh-seven-hundred para recolha sanguínea. Mariana, com gentileza, encarrega-se de tornar o momento o mais agradável possível. "Agora podes dormir mais duas horas" diz ela... Brilhante!

    Carolina e Luís (fisioterapeuta)

Pequeno almoço hospitalar reconfortado com o habitual café da Carolina. Niveis restabelecidos, essenciais para adquirir a confiança necessária para nova caminhada. Consigo voltar ao quarto do lado, falar com o João e conhecer os seus novos companheiros, mas volto a sentir dor ao final de 10 minutos.

De volta ao leito, recebo a visita de um colega da CAL. Boa surpresa, e uma conversa reconfortante. Gravei o seguinte: “o sistema nervoso é plástico”. Obrigado Luís Miguel.

    Carlos (médico)

Outra vista familiar, mais um da CAL. Apresenta-se com a sua característica shirt da Académica. E claro, conhecia a enfermeira Paula.

    Eu

Primeiro banho sem soro. Autonomia total! Desequilíbrio constante, mas o duche faz maravilhas.

    Guida e Paula

Mais um almoço “caseiro”, ideal para me lançar para a 1ª sessão de fisioterapia. Paula anuncia a sua aptidão para a coisa, e eu sigo-a. Trinta minutos intensos! Arrasado procuro a minha nova zona de descanso, uma poltrona à janela.

    João e Luís

A cancela já abriu, hora (oficial) de receber visitas. Step forward João, “O Escocês”, amigo da família, sempre preparado para levantar a moral da malta. Visita rápida pois a hora de almoço é sagrada para este bom prato.

Na calha temos também o Luís, colega de turma na escola secundaria, e braço direito nos mais recentes títulos de campeão nacional do Sporting Clube de Portugal. No seu 1º ano em Lisboa, o 1º titulo (99/00), o fatídico jogo no estádio do Salgueiros foi visionado em sua casa. No seu 3º ano, o 2º titulo (01/02). Desta vez não me acompanhou na deslocação ao estádio dos Índios para ver o William escorregar aos pés do Pedro.

Obrigado a ambos.

    José (paciente – Unidade 1)

Troca à minha direita, sai João das Melancias, entra José “O Imigrante”. Episódio intermitente (consistente com AIT) de incapacidade motora do seu lado direito. Refere bastantes dores de cabeça antecedentes aos episódios (neste momento está normal). Natural da Vila Franca, 46 anos e fuma desde os 15. Regressado dos US of A faz 10 anos, uma clássica história de um imigrante Açoriano.

Em 1987 “apanhou” um avião para as Américas, clandestino, refugiou-se nas montanhas do Utah onde trabalhou como maquinista ao longo de 17 anos. Naturalmente constituiu família, adicionando mais 2 filhos ao seu pecúlio, pois nas mãos da sua Mulher, “a direita”, como faz questão de afirmar, deixou outros 2 por criar. Conta ele que foram os da sua pátria os responsáveis pela denuncia, cumpriu prisão de 6 meses, onde viu de tudo, sendo várias vezes amansado com choques eléctricos. Voltou, reconquistou a família, mas nunca perdeu o seu sotaque americano, demonstrando-o inúmeras vezes ao trocar o simples “sim” pelo “yeah”.

    Ana e José

A assistente operacional, Ana, aproxima-se da cama do José e pergunta-lhe se ele se recorda da sua pessoa. José diz que não. Ana diz ser filha de um Sr. Correia (não me lembro agora do 1º nome, talvez seja João), afirmando que ele, José, é “irmão do meu Pai”. Genial! Ela nasceu em 1987, justamente no ano da sua debandada, e como tal não o reconhece como Tio.

    Liliana e Luisa

Assento de nascimento, Guilherme Martinho Maia.

    Francisco, Maria João e José

Jantar da comitiva da Medicina IV. José aproveita para nos presenciar com o seu perfume da Ferrari. Um must

Visitas no retrovisor, ceia ao som de Norah Jones. Oportunidade ideal para o José vislumbrar o meu iPod. "Pedro, isso não foi comprado cá pois não?" - aquela posta certeira. "Não, José, trouxeram-me dos States". "Pois, eu tenho um igual!". Adormeço-os, e coloco a escrita em prática (e em dia).

    Sara

Faz as últimas medições do dia. O seu sotaque não engana, e, ao som de Bryan Adams, revela a sua identidade alfacinha e que abraçou o arquipélago por amor. 

 

Dia 8 – 6ªF Feira 1

    Ricardo (barbeiro)

Novo barber na área, Pedra, da Vila Franca. Ainda estou entre ramelas, já Francisco e José foram laminados. José de bigode à Antonio Oliveira. Francisco de cara lavada. Ambos animados.

    Conceição (assistente)

Proveniente da “Terra do Marisco”, trabalha há 13 anos no Hospital. Companheira desde a 1ª hora. Obrigado.

    João, Leandro e Manuel (interno)

Ronda matinal, desta vez com a estreia do Dr. Manuel (mais um de Lisboa). Não cheguei a perceber se também teria sido o amor a provocar a travessia.

    Cátia (técnica)

Também ela colega na CAL, responsável pela execução dos dois exames que me podem possibilitar a saída: Doppler Transcraniano e Holter. O primeiro é feito no local, o segundo é um aparelho portátil que regista o ritmo cardíaco ao longo do tempo (normalmente 24h).

    Natália e Carlos (assistentes operacionais)

Estas últimas viagens proporcionaram ainda uma troca de ideias com duas pessoas com carreiras, no HDES, superiores à actual extensão da minha vida. Natália, 37 anos, e Carlos, 35. Obrigado.

    Francisco e José

Último almoço, arroz de pato. O melhor prato na despedida!

Debandada anunciada. Leque para o Francisco (show!!!), umas laranjas e bolachas para o José, e lá vou eu.

    Carolina, Luis e Cristina (enfermeira)

Mais um café da Carolina, enquanto Luis retrata o momento final. Com autorização da Enfermeira-Chefe Cristina Simas, uma espécie de Treinador da Ala, assumo a saída com a calça hospitalar (um dia estará emoldurada) e camisinha passada a ferro.

Diz ela, a Senhora que me trata por “menino Pedro”, que é obrigatório ir de cadeira de rodas (a minha fiel amiga).

    Cristina, Vera, Cláudio e Ana

Despeço-me de todos, em particular da Vera e Cláudio (pois estavam presentes na sala). Inicialmente, tenho a honra de ser conduzido pela Chefe, mas só até à porta da Unidade de Doenças Cérebro-Vasculares, sendo a travessia final efectuada pela Ana (a filha do irmão do José).

    Frederico

Jipe parado à porta do Hospital. Fred de shades, com style máximo. Estão aí uns 25 graus. Tudo é novidade, especialmente o ar nos queixos. Estou livre, mas já com a saudade às costas... 

Adeus e obrigado a todos.

Este conjunto de textos é, especialmente, dedicado às seguintes pessoas que trabalham no Hospital Divino Espírito Santo, mais especificamente, na unidade Doenças Cérebro-Vasculares.

Equipa Enfermagem
Enfermeira-Chefe Cristina Simas
Vera Arruda
Paula (Leça do Balio)
Cláudia Teixeira
Catarina Raposo
Raquel Silva
Carolina Vieira
Mariana Lalanda
Rui Leite
Sofia Cordeiro
Tânia Luciano
Cláudio Machado
Sara Nogueira
Nuno Carreiro
Alexandre Medeiros
Vera Rego
Nélia Serpa
Aida Tavares
Micaela Botelho

Equipa Assistentes Operacionais
Nélia San Bento
Sandra Sousa
Ana Correia
Susana Cunha
Helena Martins
Mónica Homem
Graça Furtado
Helena Machado
Luís Silva

Equipa Médica
Dr. João Vasconcelos
Dr. Rui Mota
Dr. Leandro Valdemar
Dra. Marina Cunha
Dra. Carolina Pires
Dr. Manuel (interno)