O cantinho da Mágica
24
Dez

2013

Miragens de Natal

Por Bernardo Sousa

 

Como é hábito, depois de mais uma jornada disputada dou uma breve vista de olhos na tabela classificativa, qual bálsamo existencial... alegra-me ver Paços e Olhanense, preocupa-me o Arouca (ganhar em Barcelos? a sério?) e o Belenenses (Estoril em casa era jogo para perder...).

Vejo a Briosa a pairar vagarosamente no 12º lugar, 15 pontos, 6 de avanço para os dois últimos. E por esta semana de boas notícias estamos despachados.

 

Febre de sábado à tarde em Guimarães! A sério, não dá mesmo para tentar disfarçar o quão mal se jogou no relvado (?) do Afonso Henriques. Resumindo brevemente: Vitória em 4 oportunidades fez 3 golos e a Académica em 3 oportunidades fez o chamado pleno (de falhanços claro está). Simplificação exagerada? Talvez... Mas é suposto eu queixar-me de um central (Halliche) que em dois jogos seguidos é expulso por agressão? Diria que sim, mas sinceramente faltam-me palavras do dicionário para o fazer...

Isso juntando à brilhante marcação no canto que dá o 1º golo dos adversários, à zona ou mista, qual delas fosse não previam que os tipos da casa pudessem deslocar-se para o 2º poste livremente, e isto só pode ser culpa do árbitro! Eu por acaso desconheço essa regra mas se aquilo estava tão exemplarmente mecanizado, só pode ser verdade (mago da táctica este Sérgio...). Pegando no génio, já enjoa a crítica aos árbitros. É verdade que temos 5 penalties contra e nenhum a favor esta época, mas fica a dica: para ter penalties a favor é preciso atacar um bocadinho, sei lá eu...

Talvez esteja a ser um pouco injusto, sei que fomos vítimas das circunstâncias, o Guimarães fez tanto para merecer estar a ganhar ao intervalo como eu fiz hoje para ganhar o Nobel da Química, mas quem se sabota por gosto só pode apanhar desgostos. Com 10 na segunda parte qualquer sinal de audácia da nossa parte seria sempre penalizado e o avolumar do marcador foi tão natural como eu começar a pensar de forma fervilhante: “bem, ainda temos 6 pontos de avanço para a linha de água...”.

Caso para dizer, com a verdade me engano...

 

Para a próxima veremos como será, num jogo que muito dirá do que será esta época da Académica. Sinto que se vencermos o Paços (seja como for, já não me dou ao trabalho de ser esquisito) em casa podemos dar um passo de gigante rumo à manutenção.

Antes disso segue-se a 3ª parte de uma odisseia rumo ao Jamor, desta vez o meu destino passará por Aveiro...

Boas Festas a todos!