O cantinho da Mágica
25
Mar

2014

A Levante

Por Bernardo Sousa

 

18 de Agosto de 2013, o Barcelona estreou-se esta época com um triunfo demolidor sobre o Levante, por números bárbaros, 7-0. Ao dirigir-se aos jornalistas, Joaquín Caparrós, treinador valenciano expressou-se da seguinte forma: “Já saímos do dentista, que venha o próximo...”.


23 de Março de 2014, a Briosa entra na Luz sem nada a perder, daqueles jogos em que o mínimo que se impunha era lutar até ao último minuto pelo resultado. Depois do acto consumado - derrota por 3-0 - Sérgio Conceição estabeleceu no seu discurso a sua lógica para o que tinha acabado de ver: “Não estávamos à espera desta exibição, com falta de atitude, ambição e muito displicentes. Os três golos do Benfica são inconcebíveis em alta competição. Oferecemos muitas oportunidades ao Benfica e quando assim é até com o Casa Pia perderíamos.”

 

Dois jogos diferentes, duas situações semelhantes... uns aceitam a derrota como inevitável, outros não se conformam com a falta de qualidade geral exibida pela sua equipa... eu tendo a inclinar-me para a segunda hipótese... O que se viu ontem na Luz não estraga aquilo que fizemos até à data, mas fomos demasiado “tenrinhos”... não se pode sofrer aquele primeiro golo se somos das melhores defesas do campeonato (sem desprimor para o sentido de oportunidade de Lima, mas o Halliche naquele lance esteve ao nível de um Bernardo Sousa nos jogos de futsal entre amigos).

Certo e sabido que sofrendo o segundo golo antes da meia hora, a equipa ia ter pela frente uma experiência potencialmente aterradora, sorte a nossa que o Benfica este ano não marca mais do que 3 golos em casa (abençoado Ricardo e postes), porque senão o cenário podia ter sido “A Levante” num piscar de olhos. Comparo a Briosa com o Levante porque ambas as equipas têm exactamente o mesmo nível no campeonato que disputam (o clube espanhol é actualmente 9º classificado, enquanto os nossos estão em 10º do campeonato do burgo), bem como a mesma disparidade relativa relativamente ao oponente enfrentado... mas foi demasiado mauzinho o que se viu, aparte de alguns lampejos de orgulho já com o resultado feito.

Seria sempre um jogo complicado, o Benfica apresentou-se com o seu 11 de gala (salvo Sílvio por Maxi Pereira), mas mesmo assim notou-se demasiado desnorte para tão simbólica situação. Da mesma forma que começámos a perder com o Braga na semana passada, esperava no mínimo mais agressividade, mais fome de bola, menos baratas tontas...

Se calhar mais valia termos ido ao dentista, era mais útil e não se perdiam duas horas de vida em estado de suplício assistido.

 

Com isto, mantemos as nossas ambições intactas, visto que nenhum dos nossos concorrentes directos conseguiu mais do que empatar nesta jornada. Limpamos esta folha negra do curriculum? Claro que não, porque é preciso lembrar aos jogadores que a época não acabou e para a semana (finalmente Domingo às 16 no Cidade de Coimbra) há um jogo para ganhar frente ao Olhanense em casa, com ou sem desculpas, é um jogo que tem de servir para uma redenção, nem que seja em termos de atitude.

Uma boa semana a todos.