Curva Belíssima
26
Ago

2013

Exame superado

Por Luís Pires

 

Era muita a expectativa. Depois de uma primeira jornada que deixou água na boca, era importante perceber se aquilo tinha sido uma vez sem exemplo ou se este Sporting conseguia dar mais alegrias aos adeptos. E os putos responderam à altura, passando o exame de Coimbra com distinção: 4-0 numa Académica que também ainda tem muito a melhorar se quer voltar a ser uma das boas equipas do campeonato.

 

O leão voltou a atropelar uma equipa treinada por um ex-jogador do Porto (oh, doce ironia...). Desta vez foi o Sérgio Conceição que, apesar do penteado ridículo, será sempre muito mais treinador do que o Pedro Emanuel. Apesar da nova goleada, o jogo em Coimbra foi bem diferente do Arouca. O Sporting voltou a entrar forte e, sem dar muita margem ao adversário para criar perigo, traduziu o bom futebol criado em golos. Dois logo na primeira parte, que só não foram mais porque alguém achou que o coração dos sportinguistas não aguentava ver o Wilson Eduardo (boa surpresa) fazer aquele golão num remate de primeira e desviou a baliza, acabando a bola por acertar no poste. Fica para a próxima...

A segunda parte começou também da mesma forma, com uma entrada a matar que resultou em dois penáltis e outros tantos golos. Depois, foi gerir o resultado e a posse de bola, sem canseiras, que vem aí o Benfica, e estreando jogadores. A propósito de estreias, uma palavra para a de Slimani: meu, se queres cavar penáltis vai para a tua terra. No Sporting, à frente da baliza chutas para golo. O árbitro não assinalou e ainda bem, mas agora era o Leonardo Jardim dar-lhe na cabeça e obrigá-lo a passar dois dias a recriar a jogada e a chutar à baliza daquele sítio. É verdade: há fora-de-jogo no segundo golo do SCP. Quando nos últimos anos o Sporting perdia com equipas pequenas e havia erros a prejudicar o leão, sempre disse que não era desculpa e que, contra uma Académica, se nos anulavam mal um golo, tínhamos mais era que ir lá meter outro. Da mesma forma, agora digo: yep, foi a nosso a favor, não foi por causa disso que ganhámos, deal with it.

 

Quanto aos jogadores: o Montero lá fez mais um golito. Mas a exibição vai muito além disso, dá gosto vê-lo segurar a bola e abrir crateras na defesa. O William teve menos espaço e sempre mais pressionado, culpa da estratégia do Sérgio Conceição, que meteu mais um jogador no meio campo em cima dele. Ainda assim, a recuperar bolas esteve ao nível que vem mostrando e vou ganhar um almoço à pala dele (sim, meu caro amigo que apostaste que o Rinaudo vai terminar a época com mais minutos de jogo do que o puto, tu sabes quem és). O Carrillo fez uma exibição de encher o olho e vamos todos fazer figas para que, qual Di Maria, à terceira época seja de vez. E sobre o Adrien, desdenhem o que quiserem, enquanto jogar assim, é o patrão do meio-campo.

 

Duas goleadas em dois jogos já não são um acaso, são os primeiros resultados de um trabalho sério de Leonardo Jardim e da sua equipa técnica, da vontade de os putos em jogar à bola e serem a sensação do campeonato, e da diferença que faz numa equipa os ordenados serem pagos.

 

Mas tudo isto pode desabar. Agora vem aí o Benfica, que ontem, em dois minutos, foi buscar forças para sair do buraco onde se estava a meter e transformou aquilo que podia ser uma catástrofe num impulso de ânimo e força para o derby. Aqui no burgo continuamos a achar que uma eventual derrota com o Benfica será sempre mais fácil de desculpar e que, olhando para uma e outra equipa, até é o resultado mais expectável. Mas isso não significa que essa eventual derrota não cause mais mossa aos jogadores do que um eventual contratempo contra uma equipa mais pequena. Dependerá também da reacção dos adeptos: se não entrarem em depressão, também será mais fácil a equipa aguentar-se. 
 
Claro que também é possível o Sporting ganhar e, aí, embalar ainda mais. Mas o jogo é só no Sábado, haverá oportunidade para fazer o lançamento do mesmo lá mais para o meio da semana. Agora é altura de saborear dois jogos de um Sporting a que já ninguém estava habituado. E fazer votos de que o Leonardo Jardim deixe a mulher do Bruno Carvalho sossegadita. Ou então que o presidente, como prometeu, ponha mesmo o clube à frente de qualquer situação.

 

PS -  Yo, Bebiano, embrulha aí!