Confiança Azul
17
Abr

2014

Falta de dignidade

Por Tomé Moreira

 

Este será, provavelmente, o jogo que mais vai doer esta época. É incompreensível como, a jogar contra 10, a defender uma vantagem de 2 golos, com o jogo controlado, se deixa fugir esta eliminatória.

Mas hoje, vou considerar um aspeto específico que se nota há demasiado tempo no Benfica. Mais ao menos há 5 anos, desde que surgiu este treinador. É, por vezes, realçado, mas sempre de uma forma muito leve e pouco valorizada, por isso acho que é a altura certa para eu falar disto, porque isto torna o futebol bem mais feio e se trata de uma estratégia profundamente indigna.

 

Normalmente agora estaria a dar os parabéns ao adversário como o fiz tantas e tantas vezes, mas não consigo ter respeito por um Benfica que leva o conceito de anti-jogo até ao limite.

O jogo decorreu normalmente sem grandes pausas até ao minuto 79, depois começou o circo!

 

Eis alguns episódios que se viram na transmissão televisiva:

 - festejos e mais festejos, que seriam compreensíveis se não durassem 3 minutos;

 - adeptos no campo;

 - rodear do árbitro no primeiro lance após o reinicio;

 - bolas a desaparecer, apanha-bolas escondidos (a certa altura, vê-se o Mangala a sprintar meio-campo para ir buscar uma bola – houve clubes espanhóis e ingleses severamente penalizados por menos);

 - constantes simulações (que já haviam ter sido recompensadas no lance que relança o jogo);

 - acções provocatórias na linha que se haviam visto durante todo o jogo. Só Garay é visto 3 vezes a dar "toquezinhos" por trás. Siqueira é expulso na mesma ordem de ideias por não ter medido a força na acção, isto após ter visto um amarelo injusto. Maxi atinge 2 vezes com o cotovelo o Quaresma, antes deste ripostar;

 - o treinador a pedir, da bancada, para os jogadores se deitarem no chão, filme repetitivo (nem sequer há preocupação em esconder estas figuras);

 - o Artur a dormir no chão;

 

Foi a falta de dignidade aplaudida pelos adeptos, foram 3 ou 4 minutos de jogo útil nos 18' após o golo.

E já no jogo do minuto 92' do ano passado, se haviam visto situações do género, ainda na 1ª parte, mas na altura o karma tratou do assunto. E não precisavam disto, porque o Porto psicologicamente havia morrido, estava toda a equipa amarelada, não havia cabeça para fazer uma jogada. Era circular a bola e podiam até humilhar, porque são melhores. Desta forma, aos olhos de um verdadeiro amante do desporto, humilharam-se ridiculamente.

 

Há uns anos, estava no estádio e vi a minha equipa a rodear um árbitro e, apesar de n saber assobiar muito bem, fiz o meu melhor numa tentativa de mostrar o meu desagrado. Ontem, vi um estádio a aplaudir esta triste e não nova figurinha. O Benfica nunca será respeitado desta forma.

 
Não dá para dar os parabéns a uma equipa desta forma porque isto não é desporto, não é respeito, não é digno.

Isto não é nada!