Confiança Azul
27
Fev

2014

Confiança Azul

Por Tomé Moreira


Há certas coisas que não se adquirem, simplesmente estão-nos no sangue. Eu nasci portista e não poderia ser de outra forma.

 

Sempre tive alguma aversão a elitismos, acredito na recompensa do trabalho, na organização, na superação, no conceito de equipa. O Porto assenta-me que nem uma luva.

Cresci a ouvir chamar o Porto de clube de bairro e isso nunca me incomodou, aliás, sempre me soou como uma afirmação de humildade. Também cresci numa aldeia do interior e, obviamente, portistas havia poucos: apenas eu, o meu pai e pouco mais.

Isso deu-me uma visão ímpar do meu clube porque raramente ouvia falar do Porto de uma forma positiva, tanto numa conversa casual, como ao ver o jogo no café e isso nunca abalou a minha convicção: o Porto é o meu clube. Parafraseando Voltaire, “o orgulho dos pequenos consiste em falar sempre de si próprios; o dos grandes em nunca falar de si”.

 

O futebol pouco tem de racional. Com as vitórias que me enchiam de orgulho a praticamente cada ano que passava, aumentava o natural ódio de quem não conseguia êxito e o Porto era o alvo... e o Porto transformava a negatividade em mais força e... voltava a ganhar.

As desculpas cresciam por parte de quem perdia, o Porto crescia, o fosso foi-se instalando e isso via-se a cada jogo e isso foi-me fazendo cada vez mais amante deste clube que me completa.

Foram grandes momentos os que fui passando, primeiro n’As Antas, agora no Dragão. Devo algumas das minhas maiores alegrias na vida a este “pequeno” clube que se afirmou definitivamente como uma das grandes potências do futebol mundial.

Obrigado Porto! Também por isto, me sinto honrado por te poder defender neste cantinho.

 

O futebol, assim como todos os desportos, vive de ciclos e, reconhecidamente, o Porto está num mau momento. Mas, como já aconteceu noutras alturas, o Porto saberá dar rapidamente a volta por cima.

Eu espero estar à altura de contribuir com a minha análise do que poderá estar mal, para que voltemos a ter o nosso Porto de sempre o mais rapidamente possível.

Não lhe chamarei confiança cega, chamar-lhe-ei... Confiança Azul!