Área Técnica
03
Mai

2013

Antestreia

Por Alberto Carvalho

 

No próximo sábado, pelas 17.30 horas poderemos assistir à antestreia da final da Champions deste ano.

 
Estruturalmente, as duas equipas, optam por uma disposição semelhante 1-4-2-3-1.
 
 
Sob o ponto de vista funcional, também são facilmente identificáveis semelhanças em algumas dinâmicas de jogo. Ambas optam por uma dupla de médios centro, em que um deles fica mais fixo, embora sem ficar preso ao lugar (Javi Martinez vs Bender). O outro solta-se mais no apoio ao ataque (Schweinsteiger vs Gündogan). Os defesas laterais são capazes de fechar o seu corredor e de atacar, fazendo-o com critério (Lahm/Alba vs Piszczek/Schmelzer), contando com o apoio dos médios laterais no processo defensivo, aspecto onde se deve realçar a evolução de Ribéry.
 
Na segunda linha do meio-campo, a dinâmica também é semelhante. Müller, na ausência de Kroos, e Götze ocupam o corredor central unindo a zona de construção com a de finalização. Em resposta aos  movimentos interiores dos alas, promovem trocas posicionais com estes ou em apoio na subida à linha do lateral visando o cruzamento, numa dinâmica que nesta zona assenta quase sempre no passe vertical a pedir uma desmarcação em diagonal ou vice-versa. Defensivamente, procuram fechar os espaços, procurando manter o posicionamento da equipa preparando a transição defesa-ataque, quer em condução, quase sempre pelas alas quer através de passes verticais e em profundidade.
 
Ao nível do momento defensivo, o Bayern destaca-se do Dortmund, evidenciado maior capacidade de pressão sobre os espaços e sobre a bola em todas a zonas do campo, o que poderá uma arma ser favorável aos bávaros, nomeadamente por via da recuperação da posse de bola em zonas mais próximas da baliza adversária.
 
Outro dos aspectos a destacar prende-se com a qualidade da posse de bola. Ambas as equipas evidenciam uma elevada precisão e velocidade de execução das acções técnicas base (passe, recepção, remate), jogando a 2 ou 3 toques, desenvolvendo um futebol vertical e de grande objectividade, onde a organização deixa pouco espaço para a criatividade e nenhum para o improviso. Desta condição deriva outros dos aspetos que pode desequilibrar a balança para um dos lados, nomeadamente a transição ataque-defesa. Se ao nível da qualidade na perda, as equipas equivalem-se, na reacção à perda o Bayern mostra-se mais eficaz, uma vez que o Dortmund mais do que manter as posições e pressionar, procura recuar e organizar o posicionamento defensivo.
 
Sábado fica a primeira amostra. A prova real só no dia 25 de maio.
 
 
 
Alberto Carvalho é um Treinador de Futebol que colabora regularmente com o 11para11. Escreve desde 2007 no "Bola Mesmo Redonda" e debruça-se sobre todas as vertentes do Beautiful Game.