Área Técnica
03
Jul

2013

À primeira vista - Kapino, Changgeun e Bonilla

Por Alberto Carvalho

 

Iniciou-se ontem a fase a eliminar do Mundial de Sub-20. Entre as equipas apuradas, estão alguns dos guarda-redes mais interessantes do torneio. 

Stefanos Kapino, é o dono indiscutível da baliza da selecção grega. Alto e com uma boa envergadura (1,95m / 90 kg), preenche bem a baliza, revelando um bom posicinamento, reflexos e mãos seguras entre os postes. Fora deles, é decidido a sair, embora sem revelar a mesma qualidade, especialmente nas bolas aéreas. Com 19 anos (18/03/1994) é aceitável que a sua voz de comando não se faça ainda sentir como seria desejável num guarda-redes, devendo no entanto melhorar neste aspecto. O jogo de pés, sem ser extraordinário, não lhe tem dado problemas.

 

Changgeun Lee (Coreia) e Cristian Bonilla (Colômbia) são dois dos guarda-redes mais falados, nomeadamente pela qualidade das suas exibições nos respectivos torneios continentais da categoria. Algo que se destaca em ambos é a sua capacidade de liderança, não só sobre a linha defensiva mas sobre toda a equipa, não sendo por isso de estranhar que ambos ostentem a braçadeira de capitão.

O coreano, que faz 20 anos em Agosto, revela enorme agilidade entre os postes e fora destes, principalmente nas bolas rasteiras. O mesmo não se verifica  nas bolas por alto, revelando enormes dificuldades nos cruzamentos, como ficou patente nos jogos frente a Cuba e a Portugal. 

 

Para o guarda redes do Atlético Nacional, este é o segundo Mundial de Sub-20. E tal como vinha referenciado (já tem direito a video de highlights e tudo), para além da voz de comando e da facilidade com a bola nos pés, tem-se revelado seguro entre os postes e fora deles por baixo, evidenciado sempre grande serenidade. Os cruzamentos são o ponto menos forte do seu jogo não sendo extraordinário, um pouco à boa maneira sul-americana. Um arquero muito na linha do compatriota Ospina.

 

 

Alberto Carvalho é um Treinador de Futebol que colabora regularmente com o 11para11. Escreve desde 2007 no "Bola Mesmo Redonda" e debruça-se sobre todas as vertentes do Beautiful Game.