A Selecção
22
Dez

2012

22.12.2012

Por José Miranda

 

 
Afinal o mundo não acabou.
 
E o 11para11 também não. Após um ano no exílio informático enquanto aguardávamos um possível apocalipse para ontem, eis-nos de regresso à rede, desta vez para ficar.
 
 
Não mudámos os nossos objectivos, apenas os adiámos um pouco até reunirmos as condições tecnológicas necessárias para vos apresentarmos algo que não só aborda o futebol de outra forma mas que é funcional e intuitivo.
 
Muito se passou entretanto, mas muito do que já tínhamos visto no ano anterior e no passado:
- O Porto foi campeão
- Uma equipa de Jorge Jesus voltou a colapsar depois de Março
- O Sporting passou do 80 ao 8, com a saída de Domingos após uma quase histórica sequência de resultados
- Do 8 ao 80, com a entrada de Sá Pinto e a jornada até à meia-final da Liga Europa e final da Taça
- Do 80 ao 8, com a saída do último e por aí se tem mantido
- O Boavista Braga lançou a hipótese de discussão acerca de quem é o 3º grande
 
No entanto vimos alguns fenómenos estranhos ao tecido histórico do futebol português:
- O novo presidente da Liga é dos "pequenos" e não um dos "grandes"
- O presidente da Federação já não é um ex-presidente de clube, ex-dirigente associativo e ex-deputado mas sim um ex-quadro dos grupos SONAE e Amorim, ex-presidente de uma liga "profissional" quase defunta e ex-administrador de uma SAD
- As equipas B renasceram e foram integradas na 2ª Liga (ou lá como lhe quiserem chamar) criando um campeonato em que se joga quase mais 1/3 dos jogos da 1ª Liga (ou lá como lhe quiserem chamar)
- Os grandes não fecharam os olhos à crise económica que assola o país e tiveram tento na abordagem ao mercado de verão (mas ainda estamos para ver se não há excessos natalícios devido à proximidade na tabela)
- Ao final de 12 jornadas e na 59ª interrupção do nosso campeonato nesta época, existem apenas 10 pontos entre 5º e último e apenas 5 pontos entre 6º e penúltimo
 
O futebol em si tem primado por alguma qualidade, muito devido a duas surpresas com conceitos de jogo muito interessantes como o Paços e o recém-promovido Estoril e alguns projectos já com continuidade, casos do Guimarães e do Marítimo, embora este último esteja algo inconstante devido à participação europeia.
 
Continuamos a ver algumas equipas da velha guarda, com propósitos meramente defensivos e muito kick and rush, muito perder de tempo e muito chutão para o mato.
 
Com o campeonato ainda na 1ª metade ainda muito está por resolver, mas começamos a ter cada vez mais uma competição como a dos nossos vizinhos em que apenas 2 equipas lutam pela vitória, com uma mão cheia de outras que tenta preencher os lugares que dão acesso à europa, com o bónus do 3º possibilitar uma chance de ida à Champions.
 
Esperamos um final de campeonato a dar para o quente e aqui estaremos para o acompanhar passo a passo.
 
Contamos que vocês também.