A Selecção
14
Jun

2013

11's do Ano - Revelações

Por O Especialista

 
Iniciamos hoje no 11para11 a divulgação daqueles que, para nós, foram os destaques do ano, quer pela positiva quer pela negativa.
 
Nesta análise contámos com a preciosa ajuda de um consultor do 11para11 que doravante vamos mencionar sempre apenas como "O Especialista", que terá que manter o anonimato por motivos profissionais. Nos próximos dias vamos lançar várias colecções de jogadores, 11 de cada vez, seleccionados pelo já mencionado consultor especializado em análise de jogadores e comentados pela redacção, pois há semelhança do já famoso The Stig, também "O Especialista" não escreve nem fala, só vai apontando para as fotos que lhe mostramos.
 
Seguem então as "Revelações" de 2012/13:
 
 
Vagner começou no banco e acabou nas páginas frontais dos jornais, onde se falou que poderia fazer concorrência a Artur na próxima época. Foi um dos esteios da defesa estorilista.
 
Despontou com o decorrer da época mas brilhou ainda mais quando o Vitória necessitou de mais caudal ofensivo. O treinador homónimo do clube fez de Ricardo o seu "Coentrão" quando mais precisava.
 
Chegou tarde vindo dos B's, mas chegou para ficar. Paulo Oliveira mostrou aptidões físicas, posicionais e também alguns apontamentos de pura classe para justificar os minutos jogados até ao final da época.
 
Central de origem, adaptado a "Gattuso" por Marco Silva, Gonçalo correu quilómetros atrás de adversários, sempre com aquela máxima do "Ou passa a bola..." em mente. No final da época, já ambientado aos novos terrenos começou a aventurar-se mais no ataque.
 
Joãozinho trouxe luz à ala esquerda de dois clubes que tiveram épocas muito sombrias. Poder de cruzamento e disponibilidade física sobram no futuro lateral do Sporting de Braga.
 
O "Pirlo do Berço" tomou as rédeas do meio-campo vimaranense em definitivo quase a meio da época, nunca mais voltando à equipa B. Exímio batedor de livres, Tiago Rodrigues destacou-se sobretudo pela inteligência demonstrada em campo.
 
Depois do fracasso da época anterior, Enzo Pérez pareceu uma Fénix durante esta época, a jogar numa posição mais adequada às suas características psicológicas e que traz mais liberdade ao seu jogo.
 
Não marcou, mas Josué assistiu 1 em cada 5 golos do Paços de Ferreira. Um feito notável para quem só jogou 60% dos minutos possíveis, fruto de uma imaginação fértil em áreas de decisão.
 
Aposta pessoal d' "O Professor" (mas não o Neca), Bruma é mais um que começou nos B's e acabou nos A's. Trouxe a vitalidade e a irreverência que pareceu faltar ao longo da época à sua equipa. Estonteante no dribble, nasceu em Alvalade mais uma promessa do futebol luso.
 
Passou muito tempo despercebido, aos olhos de um público que pensava que já tinha visto este jogador, mas ao contrário do seu irmão Kamel, Nabil Ghilas é o verdadeiro striker, possante, veloz e com instinto matador, responsável por quase metade dos golos do Moreirense na prova.
 
Licá passou o campeonato quase todo em campo, falhando apenas cerca de 50 minutos dos possíveis. Über-constante, liderou contra-ataques atrás de contra-ataques pela meia-esquerda do clube da Linha, contribuindo ainda com golos.