A Selecção
10
Jul

2014

11's do Ano - Portugueses da 2ª Liga

Por O Especialista

 

Após o dia que mudou o futebol, pelo menos o brasileiro, para sempre voltamos aos 11's da época passada, antes que o "Especialista" tenha um ataque cardíaco. Ausente até ao final da próxima semana, ao que consta a fazer a pré-época com mais alguns veteranos do nosso futebol que estão a tentar relançar carreiras, parece que o relaxo vivido na redacção já fez o nosso scout privado perder alguns quilos.

Debruçamo-nos hoje sobre os melhores portugueses da II Liga e que não actuam em equipas B, dos "grandes" ou dos "pequenos". Profissionais, alguns de longa data e alguns a começar carreiras, que pelos mais variados motivos jogaram no nosso escalão secundário. Alguns destes já deram o salto, quer pelas equipas que ajudaram a subir quer por outras vias, e poderão mostrar os atributos que captaram a atenção do "Especialista" na I Liga na época que se avizinha. Os outros continuarão a só aparecer nas nossas televisões aos Domingos, à hora da Missa, mas todos com o selo de aprovação do nosso expert na arte da observação.

Já um histórico do nosso futebol, Quim esteve em muito do que de bom o Aves fez durante a época passada. Os 17 jogos sem sofrer golos foram resultado da forte defesa que começava num veterano que ainda tem futebol para outros andamentos.

André Simões é um polivalente, dividindo tarefas entre a lateral e o meio-campo defensivo, naquela que parece ser uma nova tendência em Portugal. Evidencia-se mais na faixa onde revela uma grande competência em todos os pontos dessa função.

Formado na famosoa escola de centrais do FCP, Fábio Ervões já garantiu o seu lugar na I Liga na próxima época através do Boavista. Não foi o mais rápido dos centrais da II Liga mas a passada larga e o sentido posicional retiram isso da equação, naquele jeito de "falso lento" que marca alguns centrais com classe.

Miguel Vieira pegou de estaca a meio do campeonato, e ajudou o Aves a garantir mais de 2/3 das suas clean sheets, impactando positivamente o final de época dos quase-promovidos. Alinha pela mesma medida de Fábio Ervões, usando o posicionamento e a sua cultura táctica para compensar alguma falta de velocidade.

À semelhança de muitos outros extremos nos últimos anos, Vítor Bruno também já se habituou a jogar mais recuado, a partir da linha defensiva. Na época que agora acabou jogou mais à frente que atrás, isto apesar de envergar o #5, mas esta adaptabilidade poderá ajudá-lo a representar um emblema com mais aspirações e que precise de um lateral ofensivo.

Presente na edição dos 11's de 12/13, Rui Lima fez mais uma temporada de altíssimo nível. Corre mais agora do que há 10 anos quando andava nos palcos principais e a sua técnica e o seu QI futebolístico estão melhores que nunca. 30 golos em 2 anos não enganam.

Âncora do meio-campo de Moreira de Cónegos, Filipe Melo teve em 13/14 a sua época de carreira. Fortíssimo fisicamente e dominador no centro do terreno, estreia-se agora no principal escalão. Veremos como evolui, tendo em conta que o Moreirense não vai passar tanto tempo ao ataque como na II Liga, e terá que manter a sua eficácia agora em espaços mais curtos.

Irmão de Romeu do Paços de Ferreira, vai juntar-se ao mano nos Castores, para fazer um meio-campo de Rochas. É o mais ofensivo dos dois, podendo também jogar nas alas dada a panóplia de coisas que faz bem em campo. Vasco Rocha é um médio muito completo que terá agora a sua oportunidade para brilhar nos principais relvados.

O extremo das "subidas" (já o fez com Moreirense e Arouca no passado) fez mais uma boa época na nossa segunda divisão, desta vez em Chaves. Luís Pinto aprimorou este ano a sua capacidade de finalização, terminando pela primeira vez acima dos 10 golos em campeonatos profissionais. Nada mau para um extremo, que deverá ficar por Chaves em mais um ano sem outras oportunidades.

Um dos pontas-de-lança portugueses preferidos do "Especialista", Pires é um rato de área com o killer instinct cada vez mais apurado. Com mais de 50 golos nas últimas 3 épocas é uma raridade no futebol português, tendo já desistido de vingar nas nossas competições profissionais e rumado ao Girabola onde já factura.

Apareceu no Farense um extremo puro, dos que gosta de correr para a linha de fundo e tentar acertar na cabeça de alguém na área. João Reis ainda tem aquela inconsciência da juventude que muitas vezes dá alma a um ataque só por si, e atravessará agora todo o país para jogar em Chaves.

 

Para o final três menções honrosas, que jogaram demasiado para serem esquecidos:

O irmão mais magro do Maniche fez mais uma belíssima época no Aves. Mais um elemento com a experiência que ajuda a dar solidez a uma unidade defensiva, Jorge Ribeiro não é o jogador de Selecção que já foi mas o bónus da colocação de bola e das bolas paradas não deve ser menosprezado. Temos a certeza que veremos laterais esquerdos piores na I Liga no ano que vem.

André Fontes regressa à I Liga pela mão do Penafiel onde fechou o ano com a subida. Muito completo, é um #24, na medida em que faz as posições #6, #8 e #10. Já com experiência na zona de baixo da tabela e no topo das suas capacidades aos 29 anos, será com certeza pedra fulcral na organização penafidelense.

Dividiu a época entre a II e a I Liga, conhecendo as duas faces da eficiência. A partir de Janeiro na Académica, onde foi carinhosamente apelidado de "Tronco" pelo nosso escriba residente. Antes disso, no Penafiel, Rafael Lopes tinha sido outra vez o mesmo avançado de combate que vimos no Mundial U20 em '11, poderoso e com apetência para o golo.