A Selecção
15
Ago

2014

11's do Ano - Os Outros 11 Melhores

Por O Especialista

 

Para os mais distraídos começa hoje o campeonato.

A redacção do 11para11 está bem ciente disso, sobretudo porque estamos em lockdown desde que "O Especialista" nos trancou a todos aqui dentro. Só porque ainda não publicámos todos os seus 11's, feitos com amor e carinho mal o campeonato passado acabou. Para evitar qualquer tipo de distúrbios e uma possível intervenção policial, até porque não está cá o JJ para nos andar a safar dos agentes da autoridade, lançámo-nos finalmente para a recta final dos destaques da época passada.

Só pode existir uma lista com os melhores do ano mas seria injusto destacar apenas 14 dos mais de 400 profissionais de futebol que participaram na I Liga em 13/14. Como tal, escolhemos uma segunda equipa, uma sem jogadores dos "três grandes", elementos que naturalmente se destacam, não só pelo seu passado, mas também pelo seu custo inicial, pelo contexto em que estão envolvidos, entre outros motivos. Uma equipa em que coubessem todos aqueles que foram sublimes mas que tiveram um jogador que se destacou mais na sua posição.

Num inventário que tem, naturalmente, muitos intervenientes das equipas sensação do campeonato (Nacional e Rio Ave), destacamos também alguns aelementos de equipas que andaram pelo fundo da tabela e que em muito contribuiram para a manutenção das mesmas. Sem mais demoras ficam aqui os melhores jogadores da nossa Primeira Divisão em 2013/14 que não custaram uma batelada de Euros aos seus clubes.

Um dos melhores guarda-redes a actuar em Portugal, Adriano Facchini foi o principal responsável (mais uma vez) pela manutenção dos gilistas e continua a deleitar-nos de ano para ano com exibições impressionantes. Com a consistência que demonstra, a entrar no seu prime aos 31 anos e com defesas como esta, das que valem pontos, espanta que ainda esteja no Gil Vicente, passados quatro anos.

Destacado nos 11's da época 12/13, este pequeno brasileiro comprovou no principal escalão os apontamentos mostrados em Penafiel. Tenaz, veloz e com baterias para todo o jogo, Gabriel foi, com Adriano, um dos poucos pontos positivos do Gil Vicente da época transacta, e a sua regularidade exibicional ao longo da época foi assinalável.

"O Especialista" nunca pensou que Mexer desse em jogador. E retrata-se aqui publicamente. Para sua surpresa, o ainda jovem moçambicano comandou a defesa nacionalista até à Liga Europa. Fortíssimo fisicamente, é neste momento um central que já consegue controlar vários momentos do jogo, quer os dos adversários quer os seus, situações em que normalmente se expunha.

Muito provavelmente de saída do nosso futebol Marcelo é mais um central de qualidade recrutado no Brasil para as divisões inferiores e lá pescado por um primodivisionário. Forte fisicamente mas deceptivamente elegante nas movimentações, destaca-se com naturalidade em campo. Não há central que não pareça melhor quando joga ao seu lado.

O Jefferson de 13/14, Marçal foi peça fundamental na campanha dos alvinegros. Sólido defensivamente, mostrou uma grande preponderância ofensiva, não só na forma como se desdobra para as transições mas também na visão que tem para entregar a bola nas áreas de finalização, o ex-Guaratinguetá é mais um que veio dos escalões inferiores nacionais, chegando à Madeira via Torreense.

Este antigo central foi mais uma vez determinante na manobra defensiva dos canarinhos, numa época em que ainda ameaçaram os lugares de Champs. Cada vez mais Gattuso por um lado e mais Khedira por outro, a adaptação de Gonçalo Santos aos processos ofensivos tem sido a maior surpresa na evolução daquele que é um dos valores mais seguros da pool de talento nacional para o meio-campo defensivo.

Dono de uma excelente interpretação táctica do jogo tem, com a idade, ganho uma apetência para marcar golos. E normalmente golos espectaculares. Felizmente para os vila-condenses o seu contributo em campo é muito mais abrangente que a finalização e Tarantini, um box-to-box exemplar, continua a marcar quase uma década de Rio Ave.

Um dos preferidos d' "O Especialista", e destacado em 12/13, Rafa Silva comprovou tudo aquilo que o nosso scout esperava dele, passando em 12 meses da II Liga para o Mundial. Apesar de uma época um pouco inconstante, não só por ter que jogar nas alas mas também por algumas lesões, o seu futebol tem atributos que não só não passam despercebidos como são raros. A sua capacidade no primeiro toque é de topo mundial e parece cada vez mais um Miccoli do que o Hagi que querem fazer dele.

A carreira de Bebé tem sido claramente como uma moeda atirada ao ar, com os dois lados a coexistirem em simultâneo em muitos momentos, um bom e cheio de promessa, outro mau com resultados limitados. De um lado o extremo trapalhão, sem capacidade de criar para os outros ou de entregar a bola com qualidade na área. Do outro o avançado incansável e finalizador, com um poder de remate e uma percentagem on target muito acima da média. Em 13/14 tivemos o lado bom da moeda, com "Tiago" a sagrar-se o melhor marcador luso da competição.

Djaniny foi novamente ignorado pelo Benfica e aproveitou ao máximo a oportunidade dada por Manuel Machado na Choupana. Mostrou uma nova versatilidade, jogando tranquiliamente nas várias posições do ataque, e uma nova concentração nas tarefas colectivas. Saíu para o México, levado por um antigo treinador nacionalista. "O Especialista" acha que se se naturalizar colombiano e mudar de nome, tem tudo para voltar ao nosso futebol pela porta grande.

Finalmente a atingir tudo o que se esperou dele durante a sua formação, Candeias tornou-se finalmente um nome forte no nosso campeonato na época passada. Muito constante ao longo de toda a época, a enorme progressão que demonstrou na precisão dos seus cruzamentos mas acima de tudo o desenvolvimento de toda uma técnica de finalização de fora de área foram os destaques do seu body of work no ano passado.

 

De fora, mas com um pé no 11, mais três senhores que foram determinantes na fortuna das suas equipas. Depois de ser uma das revelações e um dos rookies do ano em 2012/13, a época passada foi de confirmação para Paulo Oliveira. Passou a ser o dono da defesa vimaranense e mesmo em mais um ano de desinvestimento, acrescido das dificuldades de participar nas competições europeias, a sua qualidade veio ao de cima. Não restam agora dúvidas a' "O Especialista" que em breve estará no topo do nosso futebol.

Mais um jogador profundamente identificado com a realidade do seu clube, Braga fez à quarta época em Vila do Conde a sua melhor época de carreira. Capaz de jogar em todas as posições da frente, e Nuno fez questão de o usar em todas, foi a UHU no modelo de jogo dos rio-avenses e que permitiu transformar uma equipa de cariz defensivo numa formação temida a sair para o ataque.

A partir do momento em que o Vitória de Setúbal começou a ser orientado por José Couceiro, a carreira de Ricardo Horta mudou. Finalmente solto no campo, o ex-candidato a presidente do Sporting soube extrair o melhor que o futebol do ex-Benfica tem. Dribles curtos e longos servem sempre para preparar o remate, o seu atributo mais forte. "O Especialista" ainda não está completamente convencido que consiga manter este nível, mas se o fizer é mais um valor a ter em conta para a Equipa das Quinas no futuro.